quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Inserida em outro mundo


Não sei se luto mais com essa insônia, porque tenho uma leve impressão de que não sou eu quem está ganhando...

Em meio a tantas obrigações e preocupações, um pensamento corriqueiro me veio novamente à cabeça, assim, mais uma vez, minha mente, querendo trabalhar, atrapalha meu horário de descanso, ou melhor, desfaz todos meu horários...

Mas, indo direto ao assunto, queria relatar que, mais um vez, ao final de mais um dia, percebi que não me sinto inserida. E não diria que foi uma agradável constatação. Antes, tive a certeza, como sempre, da minha incompletude.

É engraçada essa necessidade de complemento, que por vezes procuramos que outros  preencham e, apesar das muitas decepções, não são poucos os que passam uma vida inteira nessa busca.

Mesmo sabendo das limittações humanas, continuo não me sentindo inserida. Só pode ser algo metafísico. Percebo, novamente, que não sou deste mundo, e quem é???

Assisti uma palestra de um grande escritor, Cristovão Tezza, em que ele afirmou que "um escritor precisa da tristeza para escrever, um escritor profundo precisa da solidão", nessa argumentação eu acrescentaria que, este escritor, que não é um qualquer, necessita do "vazio", o grande vazio da alma humana...

Mais uma vez não me senti inserida, pois, de há muito, rejeito esse vazio, essa solidão, e só desejo a vida de Cristo, a sua paz, o seu amor, que, definitivamente, não são desse mundo vazio...

O único momento em que me sinto inserida é na presença do Pai, quando choro pra Ele e recebo seu preenchimento, seu toque e, para me permitir ser cheia do seu Espírito, não preciso de um lugar, mas de uma escolha, a minha, de me sentir inserida em um "mundo vazio", ou estar cheia e estar inserida em outro mundo.

Mas muitos são os que escolhem este mundo e, assim, jamais provam do estado "cheio", alguns até tentam, mas desistem e se perdem no caminho, afinal, "estreito é o caminho que conduz à salvação".

Os intelectuais "vazios", ou os ignorantes "vazios" ainda se sentem em vantagem quando encontram alguém de "outro mundo", se sentem satisfeitos por pertencer verdadeiramente ao planeta Terra, entretanto, com a experiência de quem um dia também já foi "terrestre", tenho certeza da incontáveis vantagens de ser "de outro mundo", um mundo feito só para os escolhidos, aqueles que verdadeiramente têm provado da comunhão com o Pai, algo realmente de outra galáxia, quiçá, de outra dimensão.

Como tantos outros, sou mais uma peregrina neste mundo, porque, com toda certeza, aqui não é o meu lugar.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Alegra-te no Senhor



"Regozija-te e alegra-te, ó filha de Edom" (Lamentações de Jeremias 4:21a)

 Olá, queridos amigos do blog!

Infelizmente tenho deixado de lado esse espaço porque minha rotina anda muito tumultuada, mas espero conseguir mais tempo para continuar interagindo com vocês.

Pois, bem! Mais uma madrugada em que a insônia me encontra (sintoma corroborado pelo horário de verão que tem me desregulado mais ainda. Céus!).

Alguns dias atrás estava muito confusa, chorosa, mas nas últimas horas comecei sentir algo de Deus, senti a alegria do Senhor manifestada em minha força.

Como já disse em alguns posts anteriores, a mudança de cidade e de rotina, até mesmo de círculo social não foi, ou melhor, não está sendo fácil. Cheguei a concluir que até mesmo a tão sonhada vitória é uma luta; o fim não é a bênção, aliás, ela é apenas um começo, de algo muito melhor, creio eu, mas de algo muito difícil também...

Contudo, pela graça e misericória divina, especialmente hoje, decidi me alegrar no Senhor, atitude que, eu sei, deveria ser realizada todos os dias, mas minha pouca fé muitas vezes não permite...

Louvo a Deus porque Ele tem suprido minhas necessidades!
Louvo a Deus porque minhas dificuldades são pequenas diante das calamidades alheias!
Louvo a Deus pelo seu amor e cuidado sempre presente!
Louvo a Deus pela sua paz que inunda meu coração!
Louvo a Deus por me curar!
Louvo a Deus por ser meu Pai, acima de tudo e de forma incondicional!
Louvo a Deus pelos milagres em minha vida, pelos impossíveis!
Louvo a Deus por realizar os desejos do meu coração!
Louvo a Deus por me permitir conhecê-Lo cada vez mais!
Louvo a Deus pelo ar que eu respiro, pela minha vida!

Te louvo, meu Senhor, porque Tu, somente Tu, és a alegria da minha alma!

Devo a Deus todo louvor e adoração que o meu ser possa conceber e, mesmo assim, jamais poderia manifestar a imensa glória que Ele tem derramado em minha vida.

Me alegro no Senhor, porque Ele preenche todo o meu vazio, porque mesmo na dificuldade Ele é o refrigério da minh'alma!

Mais uma vez, Pai, resolvi me alegrar em Ti! Obrigada por tudo que És para mim!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Oleiro

Gente, achei algo muito legal e gostaria de compatilhar com vocês:

Um interlúdio chamado olaria. Porque enquanto você adora, o Oleiro molda:

Lama e água é igual a barro. Você é feito de barro.
Barro de chão, lugar onde você já foi pisado.
O Oleiro veio com suas mãos e lhe colocou
numa roda. Assim, em seguida, você
começou a girar. Ele começou a te
moldar. Você era um vaso peque-
no, não servia para muitas coisas,
o Oleiro te quebrou, colocou
mais barro e lhe fez um
vaso grande. Você era
um vaso fino, desses
que se quebra por qual-
quer motivo, qualquer
inveja, qualquer julgamento.
Deus lhe engrossou e hoje seus
inimigos lhe contemplam por sua
beleza e força. Você era um vaso vazio,
não cultivava nada em seu meio, nadava na
futilidade e buscava descanso no pecado. Deus lhe
encheu de Seu próprio Espírito e hoje você é ferramenta
de edificação. Hoje você é um vaso cheio do próprio Deus que se
move em você. Você era um vaso cheio de pedras. Você cultivava sua
inveja sutil por fora e monstruosa por dentro. Você escrevia seus atos
por causa do reconhecimento dos outros, sua carência era por aplau-
sos. Seu esconderijo é no próprio vale da sombra da morte. Só que a mor-
te era lhe apresentada aos poucos neste vale escuro e frio. Então, o Oleiro
veio e com seus dedos e foi lhe arrancando todas as pedras. Cada pedra ar-
rancada uma dor. Cada pedra arrancada, uma cicatriz. Em cada cicatriz de
pecado, o carinho do coração de Deus lhe desmarcava do rastros do passa-
do e lhe dá um livro em branco para que sua história daqui pra frente seja
escrita por inspiração de seu Espírito. Você era um vaso torto, desses que
sente prazer nas sombras e não no sol. Sua vida era murmurar da demora
por aquilo que você procurava com medo de achar: sua cura e libertação.
Entretanto, o Oleiro veio e te endireitou. Para isso foi preciso ser queima-
do num forno muito quente. Em seguida, jogado em água fria. Você era
um vaso esquecido na estante, não servia para nada e ninguém acredi-
tava em você. Sua história de vida era um rascunho mal feito, sua
utilidade era nula. O Oleiro veio e lhe deu um fôlego soprado da
própria boca Dele. Por fim, você reviveu, foi restaurado. Jesus
te desfez e te refez novamente. E assim Ele fará enquanto vo-
cê precisar. As mãos do Oleiro é o lugar onde se acalenta o
vaso em sua mais santa versão. Lama é lama, você é morada do Espírito Santo.


Fim do interlúdio chamado olaria. Porque a adoração desperta o moldar de Deus.



Créditos ao site: http://www.renattomanga.com.br/2010/09/logo-do-decimo-terceiro-album-do.html