domingo, 22 de agosto de 2010

No colo do Pai


Ainda estou em fase de adaptação. As mudanças estão mexendo comigo. Não sei ao certo o que é, talvez seja o clima (bem mais frio do que estou acostumada). O fato é que não consigo dormir. Há dias tenho insônia. Mas, pensando bem, se insônia seria falta de sono, acho que meu caso é outro. Sono eu tenho, até demais, só que não na madrugada, uma inconstante do meu relógio biológico...

Há dias também quero descrever uma sensação, um sentimento. Algo, contudo, que não é novo, mas ultimamente está borbulhando de forma mais intensa em mim.

Uma segurança  tão presente; um calor aconchegante; uma companhia sem igual; uma paz  ininteligível; uma amor que, de tão grande, embriaga-me.

Tenho aprendido a confiar em quem não vejo. E tenho me sentido protegida, amada. Paradoxo. Normalmente, eu só acreditaria "vendo", mas, hoje, conhecendo-O como conheço, acredito sentindo, ouvindo e amando. Pois agora vivo a fé, o firme fundamento das coisas que se esperam, a prova das coisas que não se vêem. 

Quando decidi passar da condição de criatura para a condição de filha, não sabia o que me aguardava. Por vezes temi, chorei, entretanto, deslumbrei-me ao viver experiências tocantes, inenarráveis, intensas e verdadeiras. Mais de uma vez me surpreendi, ou melhor, fui surpreendida. Percebi minha pequenez diante do Todo Poderoso, minha limitação. Foi aí que Ele me disse, susurrando, ao pé do meu ouvido: "Filha, esse é só o começo. Saiba que olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Eu preparei para aqueles que me amam".

Espero. E sei que tenho sido esperada por Ele, meu lindo noivo, o amado da minha alma.

Se tudo que tenho recebido ainda é pouco, eu quero mais. Mais dessa intimidade que, ao mesmo tempo que me faz enxergar minha humanidade imperfeita, permite-me obter uma misericórida infinita, que suscista em meu interior uma dependência desse bem estar incondicional chamado amor; desse Deus majestoso e tremendo que deu-me a dádiva de chamá-lo de Pai, Aba Pai.

Estou em Teu colo, meu Pai. Este é o meu lugar. Sei que foi preparado para mim. Aqui sou realizada e, quando sinto esse aconchego, faltam-me palavras...

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Que jamais esqueçamos do Senhor...



Algum tempo sem escrever e já estava com saudades de postar neste cantinho minhas vivências com o Altíssimo, entretanto, não foi possível atualizar o blog antes, já que estava em um período de transição...
Como disse que explicaria o motivo da minha ausência, eis-me aqui para explicitar que não foi de propósito que eu não apareci, mas sim porque, para continuar meus estudos, meu Deus abriu uma porta pra mim em outra cidade, mais precisamente em São João del Rei, MG, a quase 12 horas de distância da minha tão queria Montes Claros.

Dessa forma, com minhas aulas começando em agosto, e pelo fato da formatura do Fred, meu namorado, também se realizar em agosto, vocês podem imaginar a correria que vivi, pois mudar de casa não é fácil, ainda mais de cidade, daí tive que resolver tudo em Montes Claros (deixar o trabalho e tal) ir para Ouro Preto na formatura e depois procurar moradia em São João del Rei. Tanta coisa em tão pouco tempo!

Nesse período conturbado de mudança, o que mais me preocupava era moradia, pois conhecendo o estilo de moradia para estudantes de Ouro Preto, me atemorizava não encontrar um lugar tranquilo para morar. Pela providência divina, cheguei em São João e encontrei um apartamento montado, dividido por duas pessoas, com o perfil que eu procurava.

Em tudo pude ver a mão de Deus me guiando, cuidando de mim, mas percebi também, em meio a muitos afazeres, que o meu tempo para o Senhor estava diminuindo. Com tantas preocupações, mal sobrava espaço para eu me derramar perante o meu Deus.

Sentindo a falta que o Senhor me fazia, recebi esse versículo: "Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento" (Eclesiastes 12:1).

Senti que o Senhor estava me cobrando mais tempo para com Ele.
Sei que assim como eu senti, Ele também sentiu a minha falta e por isso me chamou a atenção através da sua Palavra.

Devemos lutar para que os nossos desejos e obrigações não nos afastem do Senhor, afinal, do que valeria todas as bênçãos se não tivermos o dono das bênçãos conosco?

Apesar de toda a alegria que o Pai me proporcionou nesses dias, meu coração sentiu a sua falta, e algumas vezes me entristeci por não ter um momento a sós com Ele.

Todos os dias tenho a certeza de que nada se compara com a presença de Jesus. Sem Deus nada é completo.

Lembra-te do teu Senhor, porque Ele nunca se esquece de nós.