quarta-feira, 24 de março de 2010

Na dor, o adorador


Parece que tudo está da mesma forma, no mesmo lugar, do  mesmo jeito. Passa-se horas, dias, semanas, meses  e até anos, e você olha, mas nada mudou.

No início, era natural um rio de lágrimas jorrar dos seus olhos, mas com o tempo, parece que elas foram secando, secando... Não que a dor tenha diminuido, apenas o desespero foi desaparecendo, as forças se acabando...

O mar antes era tão agitado, turbulento... Contudo, a tempestade já se foi, mas você ainda está perdido entre a multidão das águas.

Não há muito o que dizer quando não se entende muita coisa.

Busca-se uma direção, mas muitas vozes falam ao mesmo tempo. Não há como decidir em meio ao caos, a confusão, a falta de certeza.

Não se sabe se amanhã será melhor ou pior, pois basta a cada dia o seu mal (Matheus 6:34).

Quando se depara com a morte, com a terra seca, com a impossibilidade, com a tristeza, as ações se tornam desprezíveis e desnecessárias. Agora, só resta o sentimento de tristeza e frustração.

O racional jamais abarcará o sentimental porque não se pode apertar uma tecla de "desligar" e impedir que sintamos o que não queremos sentir. Afinal, quem gosta de sentir a dor do sofrimento? A dor da perda? A dor da infelicidade?

Gostando ou não, nós as sentimos. E essa dor se manifesta de várias maneiras possíveis, adentrando em todas as áreas existentes.

Nada depende de nós, seres humanos. Se dependesse, jamais sentiríamos dor e, assim, também jamais nos tornaríamos adorador (a dor a dor).

Um adorador, mesmo não querendo, se acostuma com a dor, porque sabe que ela faz parte da caminhada.
Um adorador, mesmo sem forças e sem ânimo, continua adorando, continua vivendo. E, ainda que a vontade de parar venha, porque ela sempre vem, um adorador adora, clama, mesmo que esteja cansado de clamar. Chora, mesmo que não haja  lágrimas para molhar o seu rosto.

Um adorador pode até não ver o milagre, mas  acredita nele.

Um adorador pode até não ver o seu Deus, o seu destinatário de adoração, mas persiste acreditando Nele.

Um adorador é diferente. É louco. É perseverante.

Um adorador, ainda que pense que está fraco, que já não tem mais fé, sente que ainda não acabou.

Um adorador adora, na dor, na dor, na dor... E persiste adorando se há mais dor, mais dor, mais dor.

Na dor, há amor, há adoração, há louvor.
Na dor há poder. Sim! Haveria poder maior do que continuar se arrastando, se arrastando, persistindo, lutando, sem nunca, jamais, desitir dos sonhos de Deus?

O milagre não está somente no se levantar, mas está também no fato de continuar  adorando, sem cair.

Te adoro, Senhor!

2 comentários:

  1. Devemos adorar a Deus em todos os instantes, adora-Lo somente em momentos felizes e facil, mas o verdadeiro adorador esta sempre conectado a Deus.

    Devemos agradecer, buscar, adorar a Deus a tds instantes, pois nao adianta ser fiel a Ele 99% do dia, devemos nos entregar 100%.

    otima semana a tds

    Frederico Melo

    ResponderExcluir
  2. Amiga no titulo está escrito "deus" com letra minuscula! E não:"Deus", como tem que ser. Gostei muito das suas palavras me trouxe fé! Deus te abençoe neste ministério.Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar no blog!