sábado, 27 de fevereiro de 2010

Eu quero amar! (Parte II)


(continuando)

No grego antigo encontramos várias palavras que significam amor, são elas:

Eros (amor) - um amor apaixonado fundamentado e baseado na aparência física.

Ágape - No Novo Testamento,agapē é caridade e amor altruísta e incondicional. É amor paternal e a maneira que Deus ama a humanidade, visto logo na criação do mundo ou na morte de Jesus. Por isso, é visto pelos cristãos como o tipo de amor que os homens têm de aspirar um ou outro.

Phileo - Usado no Novo Testamento, Phileo é uma resposta humana a algo que é bom e delicioso. Também conhecido como "amor fraternal".

Podemos perceber que atualmente o mundo se baseia neste amor "Eros". Este culto ao corpo é apresentado de forma exacerbada, de maneira que esquecemos a origem do nosso sentimento.

O desequilíbrio transforma todo sentimento, por melhor que seja, em algo indesejável. O bom não é que amemos da forma como nosso coração, mente e corpo desejam, mas que amemos da forma que mais valorize as nossas qualidades e a dos outros também, pois, dessa maneira, conseguiremos avançar na busca pela nossa felicidade e pela felicidade alheia. Assim sendo, devemos amar com equilíbrio.

Para amar com equilíbrio é imprescindível descontruir vários conceitos e formas de amar que aprendemos desde crianças.

O resumo do texto acerca do amor que o mundo apregoa diz que somente o amor de outro ser humano nos preenche. Acreditar que a nossa "alma gêmea" poderá ser capaz de fazer todos os nossos dias perfeitos é o mesmo que acreditar que teremos uma vida física eterna.

As crianças, desde cedo, são acostumadas a sonharem com os seus relacionamentos amorosos porque são ensinadas que esta é a melhor porção da vida. E nessa busca desenfreada não valorizam o amor fraternal e familiar que os cercam, antes, desejam ultrapassar as fases e entrar logo no rol dos "amantes".

A mídia é a que mais contribue para que esse pensamento se aflore e tome força. Os pais, já acostumados com a ideia, acham até bonitinho os "namoricos" e, assim, cada vez mais a doença do amor imediatista se fortalece.
O engano de que amor se resume em prazer traz sérias consequências para a sociedade que, cada vez mais, acha natural descartar as pessoas que já não lhe proporcionam a satisfação desejada, simplesmente porque o tempo passa e a "fila anda".

Somos constantemente defraudados emocionalmente simplesmente porque aprendemos amar de uma forma equivocada. Entender que amamos erroneamante é preciso para tentarmos acertar e curar nossas corações.

O amor ideal não é o amor humano, uma vez que todas as suas infinitas versões trazem prejuízos a um relacionamento. Dessa forma, devemos aprender com quem sabe de verdade. Quem melhor do que o nosso Deus de amor, que criou esse sentimento maravilhoso para nos ensinar?

(Continua no próximo post)

2 comentários:

  1. Ola, vem aki mais uma vez deixar minha contribuição, e após essas belas palavras dita pela autora do post, venho lembrar, q para nos podermos amar outra pessoa nos devemos estar em primeiro lugar bem com nos mesmo.
    Devemos respeitar nossos proprios sentimentos, e confiar sempre em Deus, pois so assim conseguiremos amar o proximo tbm. Respeitano sempre os ensinamentos que Ele nos deixou.

    Que possamos estar amando em Deus cada dia mais

    abraços

    Frederico Melo

    ResponderExcluir
  2. Olá, a paz de Cristo!
    Que maravilha ver um blog vomo o seu, levando a palavra de Deus. Eu tb criei um blog, novinho ainda, para divulgar a palavra de Deus e a Canção Nova, mensageira dessa palavra. Quando puder, dá uma passadinha lá...
    obrigada..fique com Deus
    Celeste

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar no blog!